Laffa

Minha foto
Brincalhão, Caretão, Chato, Educado, Inteligente, ( nem tanto, por que dói ! ) Simpático ( Depois de três garrafas de vinho, é claro !) Bom ouvinte, Falo quando pedem ( pois nem sempre querem ouvir a verdade ! ) Enfim, este sou eu... ... baguá mor.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

INTERVALO !

Vale a pena fazer do sentimento que vivemos o seu oposto...

video

... ou dele extrair alguma beleza !

terça-feira, 26 de julho de 2011

ROMEU E JULIANO - Capitulo 5

- Ai Chipa vou acabar saindo deste lugar, não dou conta da tortura.
- Ta falando de que Ju?
- Dos caras de todos os estilos, do que me fascina e faz parar e ficar admirando cada movimentos, de ficar olhando pelos espelhos e ver, ah sei lá !
- Ai bibinha, sai do armário e vai logo ser feliz.
- Larga mão desta neura toda, poxa eu não sei por que você fica se martirizando tanto com algo que hoje em dia é tão natural, eu heim !
- Talvez por ter um pai como eu tenho ? Ou uma mãe que declaradamente me rejeitaria por ser submissa ao marido?
- Ou quem sabe pelo puro medo de ser a chacotinha da turma?
- Ai sei lá Ju, só sei que ficar nessa por muito tempo você irá, surtar !
- Acho que você está precisando se apaixonar por um cara e ele fazer você gritar, estou vivo e mereço ser feliz !
Ela me abraça bem forte a sou puxado para o estacionamento aonde Fabi nos aguarda.
-Hei Fabi larga este celular e abre logo o porta mala para colocar a bike do Jú, ou vamos se atrasar demais para o fervo.
Fabi é umas das garotas mais prestigiadas do nosso curso. Pois além de gata, gostosa, só ela consegue transformar um não, em sim sim sim com um simples sorriso.

domingo, 17 de julho de 2011

ROMEU E JULIANO - Capitulo 4

- Alô Fabi?
- Tudo bem guria?
- Sim Ju, estou bem e você?
- Bem, mas por que não foi na aula hoje?
- Ai Ju, você acredita que amanheci na casa de um cara, e nem me lembrava do nome dele. Levantei assustada, pois não sabia aonde estava. E você não imagina aonde estavamos.
- Aonde sua vagaba?
- Ju, eu levantei meio tonta e fui para janela, e quando abri a cortina eu estava de frente para o mar.
- Como assim?
- Pois é isso mesmo, ele me levou depois do churrasco para o apartamento da familia em Caiobá.

- Caracaaasss.... ( risos )
- E você não tinha percebido sua tonta?
- Claro que não biba, eu nem lembro de onde ele saiu, muito menos o antes e quem dira o depois. (risos)
- Mas você já está em Curitiba?
- Sim, lógico. Fiz o maior escandalo quando vi que estava no litoral, ele ficou até assustado.
- Mas por falar nisso, qual o nome dele ao menos?
- Ai ju, fiquei com vergonha de perguntar. Mas ele é calouro do nosso curso.
- Sério? Bonitão ao menos?


- Sim é claro biba, eu estava bebada, não dotada né !
- E você está aonde Jú?
- Na acadêmia malhando um pouco.
- Então estou passando ai para te pegar e vamos lá no barzinho da reitoria. O gatinho do Claudio está tocando lá, e sabe que arrasto uma asa para ele.
- Ah acho melhor não Fabi, estou no meio da minha série de exercícios, e falei para Chipa que iriamos começar a mexer no trabalho que o professor passou hoje. E que por sinal a senhora faz parte.
- Que Chipa? Essa que estou esperando descer do apartamento aqui para irmos ao butecão?
- Hãm? Você está pegando a Chipa já?
- Logicoooo e já já passamos ai biba.
- e te aviso, faremos o escandalo se não descer assim que chegarmos. ( risos )
- Vocês são Freud.
- Combinado então !
- Beijinhos.

Termino logo minha série de exercicios, pois não quero ver a Chipa entrando pela academia gritando meu nome, o que já fez por sinal.
Logo vou tomar um banho, e quando estou entrando no vestiário masculino, vejo um dos caras mais gatos e rato de acadêmia nú na minha frente indo em direção ao chuveiro. Ele já malha algum tempo e por isso tem seu corpo claro, talhado. Costa larga com sardas e com uma tatuagem de dragão nas costas, que o deixa mais sexy ainda.
Sua bunda pequena lisinha o deixa mais gostoso
Ele me olha e comprimenta com a cabeça sem maior afenidade. Procuro não demonstrar nenhuma reação mais, mais,... ah mais !
O comprimento e vou para outro canto tomar meu banho.
Entro no chuveiro, fecho a porta e não tem como ficar excitado ao pensar nele.
Sinto ele tão perto e, ao mesmo tempo longe demais.
Ligo o chuveiro água bem gelada, afim de tirar esses pensamentos ou desejos de mim.
Evito me mastubar pensando nele, pois ficaria me sentindo sujo por um longo tempo.
Fecho a a ducha e ao sair vejo que ele ainda continua no banho. Procuro me secar o mais depressa possivel.
Antiaspirante, creme no corpo, perfume, gel e nada dele sair do banho. O que me deixa meio frustado, ou agradecido, sei lá.
Me visto e ao olhar como estou no espelho, ele sai nú com o corpo molhado do chuveiro. Fico admirando seu corpo pelo espelho, o que é comum nas academias.
Mesmo assim depois de eternos segundo vendo aquela barriga divididas, sua virilha linda, e outros detalhes, saio mais que depressa do vestiário.
No momento em que avisto Chipa adentrar como um furação na acadêmia atras de mim e já ensaiando seu barraquinho.
Apresso o passo em sua direção e abraço ela no mesmo instante.
- Opa opa, aqui estou me poupe !
Saímos rindo e conto para ela do meu nervoso no vestiário.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

ROMEU E JULIANO - Capítulo 3

Nosso caminho se cria em nossa frente e sem percebemos somos levados ao encontro do que desejamos, e muitas vezes nem percebemos.
Por isso deixe sempre a porta de suas esperanças aberta.
Nunca se sabe de onde virá o vento da fé abençoada.


Tarde de segunda-feira,

Hospital das Clinicas de Curitiba, chego com meu skate todas as segundas e quartas para tentar ser útil no ambulatório que trata das crianças com câncer.

Lógico que no inicio era mais por obrigação de ajudar meu pai, que estava precisando de auxílio com os inúmeros casos que de todo estado que vem bater na porta.



E sem perceber fui criando um enorme vinculo e, sentindo uma grande troca de favores.
Cada criança trás desde cedo uma lição de vida para nós velhos adultos.
Tamanha simplicidade que já vem ao mundo com problemas de saúde.
Enquanto nós somente sabemos: reclamar, reclamar e por que não reclamar mais um pouquinho?
- Romeu meu querido, que bom que chegou !
- Olá Nilva como vai a enfermeira padrão desde ambulatório?
- Ai Romeu hoje foi uma manhã daquelas, e agora chegou essa criança aqui que acabei de coletar o sangue dele para fazerem os exames, você pode levar lá no laboratório? Pois se esperar pela boa vontade do povo da coleta, só amanhã depois do café.
- Claro Nilvinha minha fofinha e lindinha.
. Pego em suas bochechas morenas e mais que depressa levo um tapa na mão.
- Vaza logo moleque !
Deixo minhas coisas no armário coloco meu jaleco e subo mais que depressa. Pego a amostra de sangue que guardo dentro de uma térmica, caminho depressa em direção ao laboratório que fica em outro prédio.
No caminho vejo Aninha chegando de mão dada com sua mãe. Ela é uma das crianças que acho mais fofinha.
Tem oito anos, pele clara e olhos cor de mel e uma vaidade incomum. Mesmo já carequinha por conta da quimioterapia não sai de casa sem um gorrinho ou chapeuzinho de cata ovo.
Não resisto e vou correndo dar um abraço nela. E ela me recebe com um sorrisão e um abraço de irmão urso como dizemos
- Olá Romeu, aonde você esta indo?
- Não tá indo embora já não né?
- Não minha linda só estou indo lá no hospital levar um serviço.
- Já volto !
- E você como está minha florzinha?
- Estou bem. Olha meu novo cata ovo, foi meu pai que me deu de presente.
- Muito bonito mesmo, gosto da cor laranja.
- Romeu meu filho você sempre de bom humor e carinhoso com todas as crianças.
- Seu pai é só orgulho.
- Capaz Dona Rosa não faço mais que minha obrigação. Agora deixa eu ir não posso demorar.
Saio com meu celular tocando.
- Oi mãe tudo bem?
- Sim meu filho e você está aonde?
- Estou aqui nas crianças.
- Ah tá, meu filho seu pai está chegando hoje de São Paulo, e vou fazer um jantar bem especial para nós, então nada de se atrasar ou ir para vadiagem hoje heim
- Putz mãe, logo hoje que eu tinha um compromisso com uma gata que estou azarando e tal. Mas meu pai é meu pai.
- Acho bom mesmo mocinho.
- Beijão mãe.
Desligo animado em querer ver meu pai, que ficou fora quase dois meses trabalhando numa campanha de transplante de medulas no hospital Sirio Libanês.
No meio da tarde já estou brincando com as criança na sala de recreação, quando olho na porta parada linda, com seu cabelo todo cacheado, olhos negros, pela branca e de um sorrizinho pequeno que não tem como não ficar encantado, minha amiga Doutora Leticia Loth.
- Oi Romeu, como está?
- Oi Leticia tudo bem e você ?
- Fico muito contente em te ver aqui, você anima muito nossos anjinhos.
- Pois é, e eles recaregam minha energia.
Ela meio que envergonhada pega em minha mão e olhando para as criança comenta:
- Elas e você são mais que especial.
Ganho um beijo no rosto que acaba me deixando envergonhado.
Meu telefone toca
- Fala Caio
- Romeu tá onde véio ?
- Aqui no ambulatório do hospital, por que?
- Cara você tem que vim para o barzinho da reitoria, tá rolando uma roda de violão aqui.
- Putz Caio acho melhor não, daqui a pouco tenho de ir para casa, meu pai chega hoje e minha coroa já intimou o jantar em familia.
- Poxa véio só um pouco. Você acredita que aquelas bichinhas do curso de arquitetura estão cantando e fazendo o maior sucesso no bar.
- Eu e o Carlão vamos dar uma surra nelas assim que forem no banheiro e dizer que eles ficaram secando nosso pau enquanto mijavamos.
- Você tá de zoação né?
- To falando sério Romeu, vai ser show dar uma lição nesses viados.
- Até depois.
Desligo o celular preocupado.
- Tenho de ir para lá pois os dois são completamente retardados, ao ponto de realmente partirem para briga pelo simples prazer.

continua...

quarta-feira, 6 de julho de 2011

ROMEU E JULIANO - Capítulo 2

Mais uma segunda-feira onde nossas rotinas se iniciam na sua grande maioria sem grandes novidades. Na verdade um grande desanimo as vezes nos move sem sabermos como conseguimos sair da cama.

A universidade é um grande palco da diversidade que abriga em seu ventre.
Culturas, estilos, credos, tipos e tipos se misturam e na sua grande maioria vivem em plena harmonia.
E dentro deste caldeirão de etnias algumas pessoas acabam se destacando sem fazer grandes esforços.

Vou entrando o meu núcleo de psicologia e o único comentário é o churras ( churrasco ) de ontem na casa da chipa.
Por falar nela, nem entramos a faculdade direito ela já foi parada para receber os louros e comprimentos pela ótima festa.
Entro na sala e vejo que muitos já vem tirando onda de mim por conta da minha bebedeira.

- Fala Juliano Miojão !
Vejo que não tem saída só me resta entrar na brincadeira.
- Eu sei eu sei, mas garanto que não fiquei cozido em três minutos como vocês três patetas ai.

Entre vaías e gargalhadas vou caminhando em direção a minha cadeira. E no meio do caminho como uma assombração surge em minha frente Marina. Que sem o menor pudor, vergonha ou amor próprio não desiste de dar em cima de mim.
- Bom dia Marina, tudo bem?
- Oi Ju, como você está?
- Ótimo só passei um pouco da conta ontem.
- Eu percebi. Até queria ter te levado para sua casa, mas a Chipa surgiu na minha frente como uma trator e te arrastou logo.
Penso: Santa Chipa !
- Mas enfim vamos fazer algo juntos mais tarde?
- Sim claro, trabalho de sociologia a tarde na biblioteca, ok?
Vou saindo de lado como sabonete molhado.
- Tudo bem então Jú, te espero lá.
Vou ter de acabar dando um pega nela por desencargo de consciência, pois não quero que achem que sou bundão ou coisa pior.
- Bom dia á todos ( diz o professor )

Mais tarde durante o intervalo saio em direção a cantina para comer algo já que só estou com o iorgute no estomago
- E já sou abraço pela Chipa que falando ao celular me acompanha como todos os dias para nosso momento gordo
- Dois pasteis de carne, suco de laranja e uma coca light por favor Dona Ivone
Sentamos numa mesinha de frente para o pátio interno.
Aonde entre rodinhas de tribos alguns alunos que tocam tentam mostrar sua banda embalando nossa manhã.
Chipa ainda fala ao celular sem parar.
Levanto para buscar nosso lanche e no retorno quando chego em nossa mesa vejo quase que do outro lado do pátio, os squakistas ensaiando suas manobras que do fascinante ao tombo hilário nunca chamaram minha atenção há não ser por ele, o cara mais desejado de todo campus, Romeu.
Paralisado vendo ele sentado consertando o skate de um colega percebo o quanto ele é simples e humilde, mesmo todos sabendo que ele é filho de um dos médicos mais respeitados de todo estado.
- Oh estatua da rua XV, dá para entregar meu lanche e sentar-se por gentileza? Depois te jogo umas moedinhas.
- Nossa desculpe Chipa.
- O que você esta parado ai vendo ?
- Advinha quem está lá sentando todo atencioso consertando um skate do amigo?
- Romeu? Romeu? Cadê ele biba ?
- Não me chame de biba, sabe que não gosto disso.
- Ai escapou, desculpe.
- Putz lá esta ele, realmente é um Deus grego dos trópicos.
Vejo  por todo pátio e cantina que uma ou outra olha para ele com o mesmo encanto que nós dois.
- É mais veja Chipa não somos as únicas pessoas que também vêem isso.
- Ah nem queria mesmo! diz Chipa com seu jeitão de debochada.
- Verdade amiga, muita areia do deserto do Saara para nossa carretinha transportar.
Risos e desviamos o assunto sem tirar o olho dele é claro.
Mais alguns colegas se aproximam e se sentam em nossa mesa e o assunto muda de tom.
E mesmo em volta de tanto blá blá blá, fico admirando o sorriso mágico que Romeu tem até de longe.
Sacudo e passo a mão pela cabeça. Sai sai desta mente que não lhe pertence, busco recobrar o juízo e me enturmar no assunto com a galera.

O assunto para variar são os barracos e bafões do churrasco de ontem. Aonde estou na pauta basicamente.
- Ah Juliano nem tente dizer que não era você o miojão da vez que só faltou alguém passar a mão na sua bundinha para você liberar geral, diz um colega da turma.
Tento disfarçar meu constrangimento rindo e levando na esportiva.
- Pois é até tentei mas não tinha homem lá porra.
Todos riem e logo mudamos de assunto.
Um tempo depois o sinal de retorno as aulas soam como sirene de toque de recolher.
Enquanto nos levantavamos, busco olhar mais uma vez para Romeu que já de costas sai abraçado numa garota qualquer.
- Alunos, silêncio por favor.
Vou ser breve no assunto. Diz o professor de assistência social.
- Cada um de vocês montará um grupo de estudo e faremos pela primeira vez com a turma de direito desta universidade um trabalho em conjunto.
- O tema e a base serão: Ajudar e ser ajudado pelos realmente necessitados. Aonde estão? Quem são? O que mais precisam?
- Por que a turma de direito e não de assistência social? Ou até mesmo de enfermagem sei lá.
- Por uma simples razão meus queridos alunos.
- Meu direito só terá valor se os outros souberem os seus direitos como cidadãos de bem !
- E vocês acadêmicos de psicologia irão ajudar os mais necessitados a descobrirem o seu valor, sua alto-estima e assim seus direitos.
- Alguma dúvida?
- A idéia é maravilhosa. Mas ao mesmo tempo assustadora. Diz Chipa, que como sempre é uma líder em tudo o que acontece.
- Pois é Senhorita Viviane ( este é o nome verdadeiro da Chipa, até me esqueço tem horas )
- Adoro quando me chama pelo meu nome de batismo professor lindo.
Todos adoram a Chipa até mesmo as mais patricinhas que a acham “hiponga” demais para uma filhinha de papai.
- Bem explicarei certinho como funcionará mas já aviso que os grupos aqui serão de três pessoas , assim como os alunos de direito.
- Bacana mesmo não acha Jú?
- Sim claro. Respondo enquanto desenho um Buda Tibetano deitado em meu caderno. Curto muito a cultura e os budas tibetanos.
- Só espero que nosso grupo que já está formado caia com um grupinho de gatinhos de direito.
- E por falar em nosso grupo Chipa, cadê a Fabi que não veio na aula hoje?
- Você não prestou atenção no intervalo eu conversando com ela no celular?
- Ah era ela então? E desde quando eu fico reparando nas suas conversas?
- Ah não repara? Pois devia, pois eu reparo nas suas.
- Oh garota descarada. Risos.

Continua,...

 






segunda-feira, 4 de julho de 2011

ROMEU E JULIANO - Capitulo 1

Tudo o que vivemos hoje no auge do século XXI, nem de longe teria algo haver com as mais lindas histórias do romantismo dos séculos XV, XVI,... ou teria ?
O amor tudo vence quando é maior ! 
Então escrevo meu delírio atual para numa história Shakesperiana das mais consagradas.
Já que o amor é a loucura dos que sabem viver intensamente cada momento.
Prefácio, fácil...
Dois jovens acadêmicos da universidade federal do paraná de mundos e ideologias diferentes,  acabam se esbarrando nas esquinas do destino.
Uma nova amizade que no inicio pode não parecer nada demais além de mais um colega de universidade, acaba aos poucos pregando uma imensa e inesperada peça nos dois.
Romeu hetero todo cheio de charme que tem facilidade de colecionar corações apaixonados por ele. Tido como o garanhão da turma, sem perceber descobre sentimentos que vão do ciúmes pelo amigo ao mais estranho de todos,...
Já Juliano um rapaz que luta com seus conflitos pessoais, e que tenta suprir sua forte atração por outros rapazes. De familia evangélica sabe bem o tamanho preconceito que pode enfrentar chegando ao ponto de ser deserdado por seus pais.
O que pode parecer apenas mais uma simples história de dois jovens se descobrindo, acabará mostrando as barreiras que temos de vencer para sermos realmente felizes.
Romeu
Estudante de Direito da UFPR.
Filho de uma socióloga carinhosa e voltada ao trabalho com mulheres que sofrem violência no lar.
Pai amigão e renomado médico oncologista pediátrico, do hospital de clinicas.
Sendo considerado por todos como um dos mais populares e gato da universidade.
Estilo squakista, sempre de bermudão, camiseta branca e camisa xadrez por cima.
Dono de um lindo par de olhos verdes, pele morena clara e um belo corpo moreno esportista.
Rapaz de uma simpátia única, grande coração e um sorriso claro e largo que todos fascina.

Juliano
Acadêmico de Psicologia na UFPR.
Filho de um juiz do tribunal de contas do estado de personalidade forte e que como pastor da Assembléia de Deus tem suas ideologias firmadas.
Mãe submissa mas ao mesmo tempo de pulso firme que cuida da casa e dos três filhos.
Juliano procura no curso se entender e tirar de sua mente a forte atração que sente por outros rapazes.
Adepto ao ciclismo e a natação desde muito jovem, construiu um belo corpo.
Olhos azuis únicos mas de tristezas tão profundas quanto o oceano.
Alegre por fora mas, retraído em seus pensamentos. Tem em suas duas amigas de curso suas confidentes.

E assim começamos...


( AMANHECER )


Curitiba, segunda-feira - 06:30 horas



- JULIANO,
- JULIANO MEU FILHO HORA DE LEVANTAR.

Acordo com suaves pancadas e gritos de minha mãe a porta de meu quarto.
O que é de costume e melhor que qualquer despertador de celular.
- Nossa será que um dia ao menos um dia ela vai tentar ser mais delicada?
Sento na cama ainda atordoado abobado de sono, tontura e dor de cabeça.
Passando a mão pelo rosto tento criar coragem para mais uma segunda-feira de vida
- JULIANO JÁ LEVANTOU SEU HEREGE?
Com essas doces palavras de minha mãe não tem UP melhor
- Já mãe, estou indo tomar banho
- NÃO DEMORE HEIM, OLHA A CONTA DE LUZ !
- Putz, isso por que sou filho de um Juiz do tribunal, imagino se meus pais fossem sem teto.
Caminho para o banheiro, olho no espelho e vejo que preciso mesmo de um bom banho.
Ainda mais depois da bebedeira de ontem na casa da Chipa.
Ligo o chuveiro e deixo aquela água quentinha lavar meus pensamentos e recobrar a consciência dos bafões do churrasco de ontem.
- Nossa nem sei como consegui chegar em casa sem fazer barulho.
- Hoje vou passar a tarde toda na academia só de raiva.
Banho, creme pelo corpo, uma roupa leve, gel no cabelo, bom perfume, pronto este sou eu !
Desço mais que rápido as escadas já que meu pai não gosta de tomar café sem todos na mesa, ao menos pela manhã já que é apenas um dos poucos momentos que temos em família.
- Bom dia família !
Meu pai com o jornal na cara e sua xícara cheia de café nem responde. Já minhas duas irmãs gêmeas ainda são mais animadas ao cumprimentar.
- Ju que horas você chegou, pergunta uma delas.
Mas que rápido minha mãe também indaga:
- Pois é mocinho que horas você chegou que ninguém viu ou ouviu?
- Meninas, boa pergunta só me recordo de não ter visto o nascer do sol.
- Moleque, moleque, você não toma tento não.
- Mãe a senhora pode ter certeza que sou a pessoa mais sossegada daquela faculdade.
- E por falar nisso já estou atrasado.
Pego algumas frutas, jogo na mochila, dou um beijo no rosto de minha mãe e irmãs e ao passar por meu pai
- Bença meu pai.
- Juizo e fé nunca são demais rapaz !
Saio bebendo quase meio litro iorgute direto para garagem aonde minha bicicleta me espera.
- Caramba esse friozinho logo cedo é para animar qualquer um.
Com meu ipod tocando logo cedo de hino de louvor a lady gaga levo quinze minutos até a universidade.
Chego no campus que estudo e pedalo como sempre até o bicicletário que já cedo lotado é um custo para achar local para deixar á magrela.
Enquanto eu abaixo para passar o cadeado na bicicleta, sou surpreendido por um aperto na bunda, que me faz dar um pulo de susto.
- Isso tudo é susto ou tesão reprimido xuxu ?
- Chipa sua sem graça, vai assustar os pombos na praça, vai !
- Nosso assim que você me agradece por mais uma vez salvar sua santa alma das bebedeiras do purgatório lá de casa é ?
- Nossa foi você então ?
- Linda como você conseguiu fazer com que eu subisse as escadas sem quebrar nada e o que é melhor, sem acordar o povo lá de casa?
- Ai xuxu não me agradeçe não.
- Como não? Você nem tem tamanho de gente, quem dirá força.
- Eu não tenho, mais o bofe delicia do Gustavão tem ! Foi ele que te carregou no colo.
- Olha que românticuzinho Juju eu nunca fui carregada no colo por ninguém.
 Minha cara vermelha e meus olhos arregalados dão o tom da minha completa falta de reação.
- Você tá tirando com minha cara não tá?
( risos )
- Juju meu xuxu, você estava bebadaço, vomitou um monte no caminho. Tivemos que parar o carro três vezes para você chamar o Hugo na rua. E euzinha conheçendo muito bem seus pais você seria exorcizado no vaso sanitário das lamentações até o demónio sair pela sua bunda.
- Então quando chegamos lá na frente você nem aguentava abrir os olhos, quem dirá andar em linha reta.
- Olhei para para o bofe  e pedi para ele te pegar no colo e me seguir casa adentro. Como ele é noventa porcento musculo, cinco porcento ele usa para respirar, falar, andar, e o que sobra são palavras monosilábicas ele nem retrucou.
- Fala sério chipa, eu ainda te mato, te mato !
- Nossa xuxu se fosse só ter carregado você eu não veria problema algum.
- Como assim ?
- Você deu um abraço tão apertadinho nele quando ele te pegou, que nossa eu quase achei que eram um casal indo para lua de mel.
( risos )
- Ah deixa prá lá eu não acredito nisso !
- Tudo bem então. Mas que fomos perfeitos desviando de tudo na escuridão e subindo degrau por degrau, fomos !
Olho para cara dela e não consigo disfarçar a imagem da cena em minha mente começo a rir e dou um forte abraço nela
- Vamos para aula sua maluca.
- Bem tenho de concordar em um ponto contigo chipa, ele é gostosão mesmo.
Saimos rindo em direção a sala de aula.

Continua,...